O que os contos de fadas te ensinam sobre o dinheiro?

O que os contos de fadas te ensinam sobre o dinheiro?

setembro 3, 2021 0 Por odinheirista

Sinceramente, nunca fui ligado a contos de fadas

Talvez por falta de oportunidade

Talvez por não serem “coisas de homem”

E quando você é uma criança, você não tem controle sobre o aprendizado

Então você cresce assistindo baboseiras televisivas que, como você sabe, são deseducativas.

É só bunda, piadas de mal gosto (quando engraçadas) e mais bunda.

Certo dia, foi abordado os contos de fadas e suas histórias.

Na infância, você já ouviu falar sobre A Bela e a Fera, Cinderela ou a Branca de Neve.

Você deve saber como a história termina; sempre com um final feliz

Por que nesses contos, não existe o depois do final feliz. É justamente no ápice que a história termina. Mas o que você não deve recordar é como elas começaram.

Você lembra do início? E o melhor, o que tem a ver com dinheiro?

Os contos de fadas existem para transmitir conhecimento ou lição. Você se indentificará com os personagens citados por possuirem medos, conflitos e sonhos.

O confronto de gerações, a convivência entre adultos e crianças, as fases da vida (nascimento, amadurecimento, velhice e morte), bem como a inveja, o ódio e a amizade são mostradas para oferecer uma explicação retrate a vida real.

Sim, a arte imita a vida!

Então o que os contos de fadas te ensinam sobre o dinheiro?

Confira nesse post as histórias e o que você pode aprender com elas ao longo da sua vida financeira.

CASO 1: A CINDERELA

Aposto que você só lembra da parte do príncipe encantado e o “felizes para sempre”, acertei?

E o princípio?

Senta lá, que o blog vai contar uma historinha

Cinderela era filha de um homem rico, um nobre que se casou pela segunda vez com uma mulher que tinha um temperamento terrível, era orgulhosa, vaidosa e arrogante. Tinha duas filhas tão orgulhosas e de mau gênio quanto a mãe.

Logo após o casamento a madrasta pôs a mostra o seu mau caráter. Detestava as qualidades da enteada, que faziam suas filhas parecerem ainda mais detestáveis.

Incumbiu-lhe dos serviços mais pesados e grosseiros da casa. Era ela ainda menina que lavava toda louça e a roupa da casa, e as escadarias, e ainda limpava e arrumava os quartos. Seu quarto, na casa em que outrora era toda sua, agora era o sótão, enquanto sua madrasta e irmãs dormiam em quartos luxuosos, atapetados, ricamente decorados e com amplos espelhos, onde passavam horas se olhando, alimentando a sua vaidade.

Cinderela suportava tudo paciêntemente. Não se queixava com o pai que mais parecia estar enfeitiçado pela nova esposa. O homem, ao ficar viúvo, se casou novamente com uma gastadeira.

Não deu outra; ele perde todo seu patrimônio, deixando a filha desamparada. Devido a falta de controle sobre o dinheiro (e por não ensiná-la para o futuro), a pobre gata passou a fazer todas as tarefas domésticas, levando a solidão e tristeza.

Não basta ter dinheiro, e sim também caráter e firmeza para as decisões desafiadoras.

Apesar da sua beleza e humildade, pessoas ruins as usam a seu favor, pois nessas histórias, as personagens principais não possuem disposção de contrariar quem faz mal a elas. Quando você aceita comportamentos duvidosos, você será explorado, como no caso da Cinderela.

Resumo: inveja, ostentação, falta de controle, submissão.

Entenda que falta nos jovens (e até adultos) pulso e vontade de dizer ” eu tenho minhas próprias vontades e não serei dominado”.

Excelente caráter + dinheiro = bem sucedido

Mau caráter + dinheiro = dominador

Bom caráter – dinheiro = submisso

Sem/Mau caráter – dinheiro = sorte

CASO 2: A BELA E A FERA

Lembra da história da Bela, filha de um mercador?

No conto, ela possuía duas irmãs vaidosas que adoravam ostentar um padrão de vida elevado, fazendo uso do bom e do melhor (vestuário, jóias e adereços caros).

Entretanto, a filha do cacador possuia humildade e generosidade, que causavam impacto na forma como as irmãs se relacionavam com ela. Bela não era ligada a bens materiais, tendo como livros e as pessoas seu patrimônio mais valioso.

Infelizmente, o mercador perdeu tudo o que possuia, menos uma casinha em um lugar distante da cidade. Bela, humildemente, compreendeu a situação, ao contrário das irmãs que não se coformavam com a perda do padrão de vida. Com isso, descontavam sua frustração na pobre menininha.

Para a felicidade do mercador, ele ouviu falar de bons negócios do outro lado da cidade e, para tal, resolveu partir. Um pouco antes, as irmãs pediram itens de luxo para o pai ao ingressas no novo negócio; menos Bela, que pediu somente uma rosa!

Enquanto o pai viajava, Bela fazia os serviços da casa sem reclamar, a mando das irmãs!

Quando o mercador voltava para casa, foi surpreendido por uma tempestade, e se abrigou em um castelo que avistou no caminho. Nesse castelo, ele decidiu colher uma rosa para Bela, porém foi pego de surpresa pela fera que lá morava.

Como punição, a fera pede algumas das filhas para que ele a devorasse. Para a tristeza do pai, Bela se oferece como sacrifício sem pestanejar. Ela daria tudo de si para ver seu pai vivo.

Quando Bela chega ao palácio, a fera se enche de amor por ela, tratando-a com carinho e afeto ao invés de devorá-la. Em contrapartida, Bela faz o mesmo. 

Um dia, Bela pede à fera que a deixe visitar a família. A fera, contra a sua vontade, aceitou o pedido da moça.Ao perceberem o retorno da Bela (trajando roupas da realeza, as irmãs ficaram com inveja e a convence a não retornar para a fera. Durante a noite, Bela sonha que a fera está morrendo.

Preocupada, ela volta ao palácio e , comovida, não pensa em viver sem ele, resolveu dedicar seu amor a fera. Para a felicidade de ambos, o feitiço jogado sobre a fera se desfez e ele voltou a forma de um príncipe.

E eles viveram felizes.

Veja como algumas pessoas prezam pela aparência e ostentação, ao contrário da simplicidade da Bela.

Apesar da fábula ser fictícia, ela mostra exemplos claros de quem prefere exibir-se a assumir um comportamento digno de quem tem controle do dinheiro. Sem contar a falta de gratidão, um complexo de superioridade e empoderamento. Por estarem com uma vida ganha, acreditavam que mereciam o melhor sem motivo aparente.

” Status é comprar algo de que não precisa, com o dinheiro que não possui, para passar uma imagem falsa para quem não dá a mínima para você”

Sem contar a falta de autoridade por parte do pai, ao não determinar limites para as irmãs que exigiam cada vez mais.

E você? Está mais preocupado em “dar o que não teve quando jovem”?

Ou vai ensinar seus filhos como desenvolver atributos que os elevem acima da mediocridade?

CASO 3: BRANCA DE NEVE

Até a nossa querida branca de neve não escapa

Enfim, vamos a um resumo da história.

Há muito tempo em um reino distante, vivam um rei, uma rainha e a sua filha, a Branca de Neve. Sua pele era branca como neve, seus lábios vermelhos como sangue e os cabelos pretos como o ébano. 

Um dia, a rainha ficou muito doente e morreu. O rei, solitário, casou-se novamente.

Infelizmente para ele, a sua nova esposa era um feiticeira cruel, invejosa e muito vaidosa. Ela possuia um espelho no qual perguntava diariamente:

  • Espelho, espelho meu! Há no mundo alguém mais bela do que eu?
  • És a mais bela de todas, minha rainha!

Com o passar dos anos, Branca de Neve ficava cada vez mais bonita e encantadora. Todos gostavam muito dela, menos a rainha

O rei veio a falecer, deixando a Branca de Neve sozinha no mundo. Como não sabia se sustentar, ela passava todos os dias lavando, passando e esfregando, sem reclamar.

Durante esse tempo, a rainha persistia perante ao espelho

  • Espelho, espelho meu! Há no mundo alguém mais bela do que eu?
  • És a mais bela de todas, minha rainha!

Furiosa, ela contratou o seu melhor caçador, exigindo-o o coração da branca de neve em uma caixa. Ao longo da caçada, ele se depara com a Branca de Neve e confidencia o seguinte:

  • Não posso matá-la pois sempre fui leal ao seu pai. Fuja e não volte ao castelo.

Assustada e sem ter para onde ir, ela se depara com uma cabana pequena a graciosa. Além disso, a casa estava muito desarrumada e suja, entretanto, ela lavou a louça, as roupas e varreu a casa

……..

O que quero chamar a atenção é a falta de preparo para a vida real da Branca de Neve (e talvez uma ignorância e falta de conhecimento nas finanças por parte do pai). Sem saber o que fazer após a partida do mesmo, ela não possuia experiência para continuar o legado.

Somado a isso, ela ainda convivia com uma pessoa invejosa e ostentadora (que não pertencia a rainha, diga-se de passagem). Ao se inebriar com o poder do dinheiro, ela ordenou a morte da filha do rei. Eis mais um caso de alguém sedenta e dominada pelas suas próprias emoções e superficiadade.

Já reparou que personagens com um histórico de riqueza, passam da nobraza para a pobreza e logo se encantam com um príncipe bem endinheirado?

Não estou aqui querendo dizer o sentimento delas era movido a interesse. A lição é que elas foram salvas pelo mero acaso ou sorte (e quem, sabe a criatividade dos autores).

Como na vida real nem sempre acontece assim, você tem que aprender a dominar seu dinheiro e as suas emoções.

Odeio ter que dizer isso, mas se for esperar pelo seu príncipe encantado, você continuará pobre. Até porque, eles não existem (sorry!!)

O QUE VOCÊ LEVA DISSO TUDO

Você leu hoje as histórias mais conhecidas no mundo da fantasia, como:

  1. Cinderela
  2. A Bela e a Fera
  3. Branca de Neve

Ficção e realidade não estão completamente separados. Cada conto traz uma revelação não percebida ao longo da trama. Ao focar no resultado final, você esqueçe justamente do processo que levou a conclusão do enredo.

Em todas elas, riqueza e prosperidade. Só que, por uma reviravolta, tudo foi abaixo. As personagens principais tiveram que recomeçar e mostrar que o valor do caráter e do amor próprio supera até a maior dificuldade.

Ostentação, exibição do padrão de vida e mau caratismo sempre tiveram o mesmo fim: são esquecidos e tomados pelo marasmo e pela mediocridade.

Não é muito diferente da vida real.

Quantos de vocês conhecem alguém que vivia como a rainha invejosa ou a esposa gastadeira? Ou ainda um pai sem conhecimento de administração que possa ser ensinada aos seus filhos?

O resultado não poderia ser outro……dívidas e mais dívidas.

Espero que tenha gostado.